Publicidade

Entenda a relação do 4G com a TV aberta



Quando se fala em 4g pensa-se logo em velocidade astronômica, velocidade rápida, de primeiro mundo... bem, procuramos estudar mais sobre este assunto para poder explicar e esclarecer o que essa “Maravilha de velocidade promete” e o que ele tem haver com TV FECHADA.
Leiam a matéria e tirem suas dúvidas...
Dizem os mais otimistas que a partir de março do ano que vem já teremos a rede 4G definitivamente funcionando no Brasil... será? O prazo coincide com o primeiro dos três grandes eventos esportivos que serão sediados no país nos próximos anos, a Copa das Confederações. Depois, em 2014, teremos a Copa do Mundo e, em 2016, a Olimpíada do Rio de Janeiro.
O 4G – banda larga para dispositivos móveis teoricamente no mínimo 20 vezes mais rápida que o 3G – é tecnologia fundamental para o sucesso dessas oportunidades no Brasil. Se você usa o 3G hoje em dia, sabe que ele oferece no velocidade de no máximo 1 mega para sua navegação. Com o 4G, essa velocidade sobe para 20 mega.
A principal discussão agora está em torno da faixa de radiofrequência adotada por aqui. Para entender: qualquer transmissão de rádio, televisão ou celular se propaga em ondas pelo ar. E cada tipo de transmissão ocupa um espaço determinado. Imagine que o espaço seja dividido em frequências. Só para ilustrar: imagine que cada frequência é uma avenida. Só que essas avenidas não são identificadas por nomes, e sim por números.

Assim, temos, por exemplo, a avenida dos 700 megahertz, a avenida dos 2,1 gigahertz e a avenida dos 2,5 gigahertz. Na primeira avenida, dos 700 megahertz, trafegam hoje os sinais da TV analógica. Na segunda, dos 2,1 gigahertz, transita hoje uma parte do 3G. E a avenida – ou a frequência – dos 2,5 gigahertz foi reservada para as futuras transmissões do 4G.

"O uso do 4G no 2,5 GHz vai ser um sucesso. Sabemos que será um sucesso pelo resultado que tivemos neste leilão. Em um mundo em crise, o leilão do Brasil no 4G em 2,5 GHz, arrecadou R$ 6 a R$ 7 bilhões", comentou Marcelo Zuffo, professor da escola politécnica USP.
O padrão dos 2,5 gigahertz foi amplamente adotado na Europa e Oceania, mas por lá ainda são poucos países operando com 4G. O que se discute agora é o uso da faixa dos 700 megahertz, frequência amplamente adotada nos Estados Unidos, onde o 4G já é uma realidade.
Hoje, a faixa dos 700 megahertz no Brasil é ocupada pela TV analógica, que, de acordo com os planos do governo, será extinta até 2016 – pelo menos nas capitais onde já existe sinal de TV digital. Por outro lado, a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão afirmou que a licitação da faixa de 700 megahertz poderá prejudicar a maioria da população, uma vez que quase todos os domicílios do país contam com a TV aberta. Ou seja, está definitivamente instaurada uma disputa por essa faixa de frequência.
"Por que esta faixa é tão interessante? porque ela é o 'filé mignon' do espectro. É um espaço bom para aplicação em comunicações - tanto em TV quanto em 4G. É normal em muitos países haver uma disputa nesta faixa. Este debate no Brasil começou este ano. As emissoras estão propondo um uso para esta faixa e as empresas de telecom, outro uso. Tem o terceiro uso de aplicações em segurança: bombeiro, polícia... Vamos ter mais debates sobre esta frequência", explicou.
Mas esse imbróglio não para por aí. De acordo com as operadoras, a faixa de 2,5 gigahertz não será suficiente para toda a demanda por banda larga móvel no país. Vale lembrar que nos últimos três anos a telefonia móvel no Brasil ganhou 50 milhões de novos usuários.
Assim, o que provavelmente deve acontecer por aqui é que as faixas de 700 megahertz e 2,5 gigahertz funcionem em conjunto. O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, já disse que o governo estuda realizar o leilão da faixa de 700 megahertz agora, em 2013.

"Temos que preservar o bom senso, o que será melhor para sociedade brasileira", finalizou.
A tendência, com o desligamento gradual da TV analógica, é que o 4G no Brasil funcione simultaneamente nessas duas faixas de frequência. Mas isso só a partir de 2016.

Agora, atenção para os aparelhos. Nos três primeiros anos só funcionarão por aqui aqueles que, claro, operarem na faixa dos 2,5 gigahertz. Mas não deve demorar para as fabricantes integrarem chipsets multibandas em seus aparelhos. O novo iPhone 5, por exemplo, já funciona em cinco frequências distintas – infelizmente, os 2,5 gigahertz ainda não faz parte desta lista. Mas isso deve mudar. E um dos motivos para a mudança vem da China. Por lá, o 4G também opera na frequência brasileira. E, cá entre nós, nenhuma empresa seria maluca de ignorar mercados do tamanho do chinês ou brasileiro.
Atualmente, o 4G opera em 25 frequências diferentes ao redor do mundo. Segundo especialistas da área, já existem empresas fabricando chipsets que atendem todas essas frequências. Ou seja, independentemente da faixa de frequência adotada onde quer que seja, os aparelhos vão funcionar perfeitamente nos quatro cantos do mundo. Ou pelo menos é que se espera.
Para entender mais sobre a tecnologia 4G no Brasil e no mundo, acesse os links acima. O time de repórteres do Olhar Digital produziu uma série de matérias para responder às suas dúvidas. Aproveite e veja também o teste que realizamos com o 4G nos Estados Unidos; é de deixar qualquer um de boca aberta.

Comente com o Facebook: